Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Religião’ Category

Texto por: Victor Silvares – autor e administrador do blog Sadame – Graduando em Letras e Literatura Japonesa pela Universidade de Brasília
1 – Budismo
O Budismo é uma religião criada na Índia, mas onde atualmente é o Nepal. O Budismo surge numa sociedade estagnada, onde o papel do indivíduo é determinado por sua casta, que lhe é transmitida por laços sanguíneos. A manutenção dessa estrutura é feita pelos costumes religiosos da sociedade Hindu. Com a incapacidade de ascensão e o engessamento social, uma nova estrutura começa a ser necessária.
É exatamente neste contexto que por volta de 500a.c nasce Siddartha Gautama, que posteriormente é conhecido como Buda ou Shakyamuni. Siddartha faz parte da sociedade Hindu, e faz parte de uma família influente. Para que Siddartha possa assumir o comando desta família com sucesso, a verdade sobre o mundo lhe é escondida..Siddartha vive numa sociedade utópica onde todos são ricos, a doença e velhice não existem e a morte não é sequer um problema.
Certo dia Siddartha tem contato com o mundo exterior e fica perplexo. As suas primeiras visões são pessoas com fome, doentes, velhos e pessoas mortas. Neste momento Siddartha deixa de ser apenas um Nobre e dá seus primeiros passos ao que posteriormente será

chamado de Budismo.
Siddartha não admite a verdade sobre o mundo, enquanto uns vivem com conforto e luxo, outros sofrem e são tratados como animais. Ao se deparar com essa dicotomia, Siddartha deixa sua vida luxuosa para que possa meditar sobre a humanidade. Ao se retirar de seu palácio, Siddartha tem contato com ascetas que vivem nas florestas, longe da civilização e de qualquer  materialismo. Siddartha se torna um desses ascetas e passa a viver de uma forma que todos os prazeres lhe são privados. Todo o seu tempo é destinado à meditação e à busca da iluminação e da verdade.
Anos se passam e Siddartha não percebe nenhuma evolução, mas a verdade lhe parece próxima, já que ao viver no extremo luxo e na extrema negação dos prazeres nada lhe foi revelado, o que pouco à pouco se revela é a existência de um caminho do meio, ou seja, viver distante dos excessos. Com esta nova verdade, Siddartha ao meditar sobre um pé de figueira, atinge a iluminação, ou Nirvana, que é o termo traduzido do sânscrito. Neste momento passa a ser chamado de Buda, que significa ‘O Iluminado’.
Buda passa a ensinar sua nova filosofia até os seus últimos dias, conseguindo assim muitos discípulos, que convencidos de seus ensinamentos passaram a transmiti-los de forma a criarem as primeiras sociedades monásticas ou Sangha.
Na visão Hinduísta, Buda não criou uma nova religião e sim aparece como um avatar da divindade Vishnu, que vem ao mundo para acabar com os rituais de sacrifício que eram realizados até então. Siddartha é considerado o 9°(nono) avatar de Vishnu. Seu antecessor é Krishna (importante figura da religião hindu, tratada como dividade), 10° (décimo) avatar ainda está por vir.
Esta é uma versão padrão de como surge o Budismo e como Siddartha atinge a iluminação. Como toda história religiosa alguns floreamentos são adotados, com o exemplo do Budismo Tibetano, ou Lamaísmo, onde ao nascer, Siddartha começa a andar, e onde dá seus passos flores de Lótus aparecem. Mas também é um fato que Siddartha é realmente uma figura histórica, e não apenas um personagem mítico.
O Buda histórico não deixou nenhum sermão escrito, e transmitiu toda a sua filosofia de formal oral, posteriormente alguns discípulos passam a escrever seu ensinamentos, como é o caso do Concílio de Páli, onde após sua morte, seus discípulos se reuniram e ditaram todos os ensinamentos para que estes fosse registrados de forma escrita. Apesar desses acontecimentos, o Budismo não adota nenhum livro como cânone e algumas escolas, como a Zen, desprezam o conhecimento escrito.
Os alicerces da filosofia Budista são dados pelas Quatro Nobres Verdades, que é o conhecimento primordial para que se possa compreender o Budismo. As Quatro Nobres Verdades são:
1 – A Verdade do Sofrimento – Viver é sofrer;
2 – A Verdade da Origem do Sofrimento – Todos os tipos de sofrimento tem uma origem comum, o desejo;
3 – A Verdade do Fim do Sofrimento – Ao renunciarmos o desejo, deixamos de sofrer;
4 – A Verdade do Caminho para o Fim do Sofrimento – O Nobre Caminho Óctuplo.
A quarta nobre verdade nada mais é que a introdução a outro importante conceito para a compreensão do budismo, o Caminho Óctuplo é a manifestação do Caminho do Meio, verdade na qual levou Buda à Iluminação. O Caminho Óctuplo é:
1- Compreensão Correta;
2- Pensamento Correto;
3- Fala Correta;
4- Ação Correta;
5- Meio de Vida Correto;
6-Atenção Correta;
7-Sabedoria Correta;
8-Visão Correta.
Posteriormente estes caminhos foram agregados da seguinte forma:
1- Compreensão Correta;
2- Pensamento Correto;
3- Fala Correta;
Moralidade
4- Ação Correta;
5- Meio de Vida Correto;
6-Atenção Correta;
Concentração
7-Sabedoria Correta;
8-Visão Correta.
Sabedoria
Baseados nesses princípios, o Budismo começa a se expandir pelo mundo. Os discípulos de Buda começam a expandir os seus ensinamentos, a ponto de que o conhecimento budista chega a toda a Ásia.
Os diferentes modos de abordagem dão início a diferentes escolas budistas, existe uma ramificação inicial em que divide o budismo em três (3) vertentes
Mahayana¹ – Budismo que engloba a maioria das escolas. Se instalou basicamente no Leste Asiático em países como China, Coréia e Japão. Ex: Nichiren, Chan, Zen, Jodo Shu, Jodo Shin Shu;
Theravada – Budismo que se instalou no Sudeste Asiático em países como Tailândia e Indonésia, é o Budismo mais próximo do Budismo Primordial, e por este fato, é onde se encontra as escolas mais antigas de Budismo e algumas das escolas mais ortodoxas.
Vajrayana² – Budismo esotérico, na qual fazem parte as escolas Tibetanas, Shingon e Tendai.
¹Alguns estudiosos usam o termo Hinaiana para se referir ao Budismo Theravada, este termo surge de uma forma preconceituosa, mas hoje é usado sem esse intuito.² O Budismo Vajrayana é considerado em algumas obras, como uma ramificação do Budismo Mahayana.
Existem discussões sobre o Budismo ser ou não um religião. Alguns o consideram apenas como filosofia, pois a não existência de uma divindade não o caracteriza como religião. Mas com o seu forte apelo a conceitos morais e regras de conduta estabelecidas, é deveras simples considerar apenas como filosofia e negar todo o seu lado religioso.
2 – Budismo no Japão
O Budismo foi introduzido no Japão, por meio da Coréia,  no ano de 552(Período Asuka). Não foi aceito de imediato e uma série de conflitos aconteceram para que este fosse aceito, conflitos estes que não diziam respeito apenas à religião, e sim a disputas de poder. Alguns nobres se encantaram pelos ensinamentos budistas. Provavelmente a causa para a instalação do Budismo entre os nobres fosse a quebra com os costumes Xintô, criando assim uma diferenciação entre a religião do povo e da nobreza. E foi o que de fato aconteceu, o Budismo se implanta primeiro na casa imperial, e no ano de 587 é declarado como religião oficial do estado.
De fato, o Budismo foi um fator organizacional para o Japão. Introduzindo a escrita chinesa e sistematizando a sociedade. O termo Xintô só passou a existir após a introdução do Budismo no Japão, o termo foi criado para diferenciar o Budismo da religião nativa praticada no Japão. Não existindo centros de ensino sistematizados na sociedade até então, o Budismo passa a introduzir a cultura chinesa no Japão,  aos poucos os costumes, a arquitetura, as tecnologias, ciências, tecelagem , militarismo, entre outras influências. Também é importante ressaltar que à partir dos templos budistas, a escrita foi sendo desenvolvida  e ensinada, criando aos poucos uma escrita japonesa que se difere da chinesa.
O Budismo aos poucos se adapta aos costumes Xintô e cria uma especie de simbiose religiosa, para se adaptar aos costumes japoneses, o Budismo toma emprestado alguns costumes e tradições. Aos poucos essas interações inter religiosas dão uma característica singular ao Budismo no Japão, que pouco a pouco vão o tornando diferente do Budismo praticado no restante da Ásia.
Porém, as escolas implantadas não são genuinamente japonesas, precisando frequentemente de monges vindos da China para pregar seus ensinamentos. Alguns monges japoneses são mandados à China para estudar o Budismo. No Período Heian, estes monges passam a desenvolver um Budismo que está mais próximo da sociedade japonesa, há um sincretismo maior entre as os costumes nativos e pouco a pouco o Budismo passa a se instalar nas mais diversas partes do Japão. As principais escolas budistas deste período são a Shingon e Tendai.
Mas o problema elitista ainda existe, as escolas Budistas são voltadas para a nobreza e estão intimamente ligadas a interesses políticos. No meio deste panorama escolas genuinamente japonesas passam a ser criadas. No período Kamakura temos a criação do Budismo Nichiren, expansão do Budismo Jodo Shu e Jodo Shin Shu, e a instalação das primeiras escolas do Budismo Zen no Japão. Do Período Meiji ao tempo presente, muitas escolas Budistas foram criadas, algumas criadas com novos conceitos, outra apenas como releitura das antigas religiões. Algumas escolas budistas passam a se envolver intimamente com a política.
O Budismo Japonês é mais atrativo ao povo, pois sua prática é mais simples do que os complexos rituais praticados nas escolas mais antigas. Popularizando a salvação, o Budismo atinge um grande número de seguidores, quebrando as barreiras entre os nobres e o povo, no que se trata do Budismo. A escola Jodo Shu, também conhecida como Amidista, dá como o caminho para a salvação a devoção ao Amida Butsu, ou Buda da Luz Infinita. E o simples recitar do sutra “Namu Amida Butsu” tem o poder de levar a sua alma para a Terra Pura( Daí o nome, Jodo Shu, que significa literalmente Terra Pura). Já o Budismo Nichiren, ao recitar o título de um sutra, o Daimoku,  “Nam myoho rengue kyo”, torna a iluminação mais próxima. Ao compararmos com os rituais complexos, sistema de mandalas, sutras e mudras utilizados anteriormente, nos é claro porque o Budismo genuinamente japonês se torna cada vez mais atrativo.
Atualmente, todas as escolas budistas no Japão são Mahayana, exceto raríssimas exceções. A escola com mais seguidores é a Jodo Shu, e a escola com mais templos é a Zen.
3 – Origem do Zen Budismo
A origem do Zen Budismo nos leva aos primeiros ensinamentos do Buda Histórico. É contada a história que em um de seus ensinamentos, Siddartha apenas segura uma Lótus e nada diz. Apenas um dos seus discípulos presentes consegue entender esse ensinamento, seu nome é   Mahakashyapa. Diversas escolas acreditam que o Sutra da Lótus é o sermão mais importante dado por Siddartha, e nele reside a verdadeira compreensão do Budismo e da Iluminação.
Mahakashyapa passa a ser o primeiro mestre Zen, seus ensinamentos são passados de forma oral, de mestre para discípulo até chegarem em Bhodiddarma no século V, o primeiro mestre Zen a sair da Índia e ir para a China, transmitir os ensinamentos de Buda.
Conta-se que Bhodidharma após alguns episódios, medita durante nove (9) anos dentro de uma caverna, olhando apenas para a parede. Bhodidharma continua a transmitir o conhecimento Zen após o episódio em que um jovem corta seu próprio braço para mostrar a fé nos ensinamentos de Buda. Através de Bhodidharma, são contados seis (6) patriarcas que são os principais difusores do Zen na China:
Bodhidharma (बोधिधर्म) (c. 440 – c. 528);
Huike (慧可) (487 – 593);
Sengcan (僧燦) (? – 606);
Daoxin (道信) (580 – 651);
Hongren (弘忍) (601 – 674);
Huineng (慧能) (638 – 713).
Destes patriarcas, os 2 últimos são os mais importantes para a compreensão do pensamento Zen. Conta-se que Hongren estava procurando um monge que pudesse sucede-lo com sucesso, na transmissão do Dharma. Para procurar tal pessoa, Hongren propõe em seu mosteiro que todos escrevam sobre a verdadeira natureza da iluminação. Todos os monges ficaram descrentes, pois acreditavam que o Monge Shenxiu não poderia ser batido. Logo, ninguém escreve o exercício proposto por Hongren. Como era de se esperar, apensar Shenxiu escreve, e seu texto é pregado em uma das paredes do templo.
“O Corpo é a árvore de Bodhi,
a mente é um espelho brilhante.
Com cuidado a limpamos continuamente,
sem deixar que o pó acumule”.
Todos ficam perplexo, achando que nada poderá ser mais coerente que o escrito por Shenxiu, no entanto, no dia seguinte, ao lado do exercício de Shenxiu, aparece um desconhecido sem assinatura:
“Bodhi não é uma árvore
nem a mente um espelho brilhante
Já que tudo é vazio em essência
onde pode o pó acumular?”
Sim, esta era a suprema verdade sobre a iluminação(Bodhi), mas o seu autor permanecia desconhecido. Posteriormente descobre-se que o autor era o cozinheiro do templo, Huineng, que era analfabeto, e havia pedido para um amigo escrever suas palavras. Huineng acaba por tornar-se o novo patriarca do Zen na China, mas alguns monges ficam descontentes e acabam por criar uma outra corrente Budista, onde Shenxiu é o verdadeiro patriarca. Esta escola é extinta em pouco tempo.
Huineng é o último patriarca do Zen na China, e consegue expandir os ensinamentos de Buda por toda a China. Suas palavras são tidas como um marco na compreensão do Zen Budismo. Ao estudarmos linha por linha em paralelo ao texto de Shenxiu, podemos ter uma primeira compreensão do que é verdadeiramente o ensinamento Zen:
“O Corpo é a árvore de Bodhi”;
“Bodhi não é uma árvore”;
Enquanto Shenxiu afirma a necessidade de existência de um corpo para o caminho da iluminação, Huineng nega, a iluminação não precisa de um corpo.
“…a mente é um espelho brilhante”;
“nem a mente um espelho brilhante”;
Huineng agora nega a importância da mente no processo de iluminação.
“Com cuidado a limpamos continuamente,
sem deixar que o pó acumule”.
“Já que tudo é vazio em essência
onde pode o pó acumular?” .
Enquanto Shenxiu prega a necessidade de um autocontrole da mente, Huineng diz que isto não deve existir, pois para o Zen não existem intermediários.
É exatamente este o principal foco do Zen. Pouco palpável, mas é exatamente isto que o Zen prega, a quebra com a lógica, a mente não pode controlar o Zen, o Zen existe independente de qualquer coisa, de qualquer meio. O Zen não é tangível pela intelectualidade, para compreender o Zen deve se deixar de lado qualquer paradigma existente e apenas ser. Ao primeiro contato nos é difícil compreender, mas ao estudar os métodos Zen, e o Zen aplicado à algumas atividades, nos fica claro qual é sua finalidade, mesmo que isso não seja possível na visão Zen.
4 – Zen Budismo
O termo Zen tem origem em Dhyanna, termo sânscrito que significa meditação. Ao ser introduzido na China, o termo Dhyanna tornou-se Ch’an, possivelmente este termo foi corrompido ao chegar no Japão, e por sua similaridade sonora tornou-se Zen. Porém Zen não carrega mais o sentido de meditar, para isto existe o nome Zazen, que seria o sentar Zen.
O Zen Budismo, como em outras escolas, busca o caminho da iluminação. Esta iluminação, em japonês, recebe o nome de Satori ou Dai-Kensho. Dai-Kensho seria um estágio avançado da iluminação, enquanto Kensho é apenas uma iluminação parcial. O foco do Zen Budismo é dado na meditação, entretanto, cada escola tem uma metodologia sobre meditação.
Alguns princípios utilizados no Zen são de grande importância para a compreensão deste. Um deles é o princípio da impermanência, ou seja, nada existe pra sempre. Outro princípio importante é o da Natureza Búdica, qualquer pessoas é um buda em potêncial, somos todos iluminados por natureza, porém temos que seguir este caminho de volta para a iluminação, esta iluminação nos dá uma visão sobre a verdadeira realidade de tudo. Este é a finalidade do Zen.
O Zen tornou-se popular na China, crescendo absurdamente em número de templos, chegando ao ponto de que praticamente todos templos Budistas na China eram da escola Zen. Após crescer na China, o Zen atravessou as fronteiras, muitos templos foram criados no sudeste asiático e principalmente na Coréia.
O Zen Budismo começou a ser introduzido no Japão entre os séculos XII e XIII, sua aceitação foi de certa forma rápida, como as escolas budistas japonesas, o Zen conseguia simplificar ainda mais a iluminação. Sendo fácil de praticar e sendo acessível à população japonesa, seja intelectualmente ou financeiramente. Criou-se também o acesso das mulheres à religião, chegando ao caso de mulheres tornarem-se mestres Zen e dirigirem mosteiros. Ou seja, o Zen entra no Japão com uma série de atrativos.
Existe um número limitado de escolas Zen de expressão, restringe-se basicamente a Soto Zen e Rinzai Zen. Existem também a escola Obaku Zen, que foi introduzida no período Tokugawa, pelas famílias chinesas residentes no Japão, e atualmente foi criada em 1954 a escola Sanbo Kyodan Zen, que na verdade é uma releitura das escolas Soto e Rinzai.
A Escola Rinzai, a primeira escola Zen a ser introduzida no Japão, é levada em ao Japão por Myoan Eisai em 1191. Inicialmente é uma releitura da escola chinesa Linji, mas posteriormente a escola Rinzai cria uma identidade tipicamente japonesa. A escola Rinzai é conhecida por ter um método abrupto, ou seja, que acelera o caminho para a Iluminação. A iluminação é dada através da meditação sobre os Koans, frases que fazem o praticante refletir sobre a verdade. Esta escola também dá ênfase no trabalha árduo. Por tais motivos o Zen é adotado rapidamente pela classe de Samurais, principalmente o Rinzai Zen, pois ao contrário de outras escolas, o Zen pode ser praticado em qualquer lugar, em silêncio, sem necessidade de grandes rituais. O foco da Rinzai Zen no trabalho árduo é adaptada à prática de artes marciais, o que torna atrai ainda mais a classe de Samurais a praticarem Zen. Pode-se dizer que o Zen define a identidade do Samurai.
A Escola Soto Zen é a escola Zen com mais praticantes em todo o mundo. Foi criada por Dogen Zenji, e surge como uma releitura da escola chinesa Caodong, e assim como a Rinzai, adquire a identidade típicamente japonesa com o passar dos anos. Ao contrário da Rinzai, a escola Soto torna-se mais popular entre os camponeses. A escola Soto não faz o o uso de Koans, e também não faz uso de trabalhos árduos. O foco é dado na meditação sentada, ou Shikatanza, que significa “apenas sentar-se”. A escola também faz meditações andando ou Kinrin, e meditações enquanto realizam pequenas atividades, como preparar o almoço, essa meditação chamam-se Samu.
No Zen como um todo, a meditação é o principal método utilizado para atingir-se o Satori, entre uma escola e outra apenas o enfoque da meditação é mudado, mas o Zen continua o mesmo. Entendendo os principais métodos de meditação, podemos compreender a realidade Zen.
5-Koan
Koans são frases usadas pelos mestres, para forçar seus discípulos a compreender a verdade do Zen, algumas frases são famosas como:
“Sabemos o som de duas mãos batendo uma na outra, mas qual o som de uma das mãos?”
Meditando sobre Koans, o praticante consegue quebrar as barreiras que o prendem a realidade, não mais existem duas mãos, nem uma mão. As mãos são duas e “são” uma ao mesmo tempo. O uno e o dual coexistem. Esta é a realidade para o Zen, tudo que existe é Uno, mas ao mesmo tempo existe uma individualidade, e não obstante, o tudo torna-se nada. Difícil de entender ao primeiro contato, porém isso pode ser explicado com um outro Koan.
“O Zen é como o reflexo da lua dentro de um lago.”
Portando uma certa poesia, este Koan nos dá a verdade quando tentamos obter o zen de uma forma lógica. Um objeto glorioso como a lua pode entrar em um lago sem criar uma onda sequer, mas se tentarmos agarrar essa imagem deixaremos a água turva, de modo que não veremos mais a lua como ela é. Essa é a realidade que o Zen prega, a iluminação não pode ser obtida por um processo lógico. Este é um dos motivos na qual não existe um texto sagrado sobre o Zen, não há como expressá-lo de forma lógica, o Zen só pode ser vivido. Como diz esse próximo Koan.
“As palavras são como um dedo apontando para a Lua; cuida de saber olhar para a Lua, não se preocupe com o dedo que a aponta” .
Este Koan é de mais fácil interpretação. Novamente a verdade é retratada como a lua, ao escrever, ou até mesmo falar sobre o Zen. Corre-se o risco de olharmos para o dedo ao invés da lua, ou seja. Este Koan diz dos perigos de se tornar um escravo das palavras, ao invés de contemplarmos a verdade, e além disso, por mais que um mestre possa apontar a lua, ele não pode olhar a lua pelo discípulo.
Estes Koans começam a deixam claro a filosofia Zen, para se entender o Zen deve-se pratica-lo, pois ele não pode ser atingido por caminhos intelectuais. Ao sentar e meditar sobre os Koans, o praticante aproxima-se do Satori. Compreender o mundo como duas mãos que batem e fazem um único som.
6- Zazen
Zazen é o método de meditação usado pela Soto Zen, e ao contrário da Rinzai. Não se usam Koans. O Zazen procura o caminho inverso. Ao sentar não se deve ter nada na cabeça, os pensamentos não devem existir, e o mundo não será mais externo ao praticante. A prática do Zazen leva ao Shikatanza, ou seja, apenas sentar. Quando o praticante atingir o nível de que não faça mais nada além de sentar, ele estará apto a perceber a verdade do mundo. E assim, atingir o Satori.
O Zazen deve ser praticado na posição de Lótus, colocando o pé direito sobre a coxa esquerda, e o pé esquerdo sobre a coxa direita. Por ser uma posição difícil, também pode se praticar Zazen em Semi Lótus, onde só o pé esquerdo fica sobre a coxa direita. Também existe a posição Birmanesa, onde as pernas tocam o chão do joelho aos pés, pode-se realizar Zazen em Seiza, o modo japonês de se sentar ajoelhado, ou até mesmo praticar sentado, caso seja difícil para o praticante ficar numa das posições anteriores.
O Zazen na escola Soto zen é praticado virado para a parede, ao contrário da escola Rinzai, onde os praticantes miram o centro do Dojo, com os olhos semi-fechados, não tão abertos ao ponto de dispersar e nem tão fechados ao ponto de dar sono. As mãos devem formar o Mudra Cósmico ou Dhyanna Mudra, onde a palma direita vira-se pra cima e a mão esquerda repousa sobre a mão direita, os polegares se tocam levemente. Este mudra deve ser realizado à altura do Hara, ponto este que fica 3 dedos acima do umbigo.
Ao atingir o Satori, o praticante apenas senta, e mais nenhum sentimento, pensamento ou sensação irá atingi-lo. Assim pode-se ter a compreensão da realidade.
Existe uma variação do Zazen, que chama-se Kinrin, onde o praticante anda lentamente, enquanto faz um mudra na altura do plexo solar. Existe também o Samu, onde o praticante faz uma atividade normal, como preparar o almoço ou varrer a casa, mas tentando atingir alguma iluminação. Em ambos os casos, a finalidade é a mesma do Zazen.
7-Zen

O termo Zen, como já foi dito, tem sua origem no termo Dhyanna, que significa meditação. Apesar de não ter mais esse significado, a meditação continua sendo a essência do Zen Budismo. A escola Soto Zen muitas vezes diz usar o termo meditar por não existir um correspondente melhor. Mas compreendendo os métodos usados e finalidades, podemos retratar as escolas Zen como nulistas, ou seja, não existe uma grande atividade, e os praticantes se abstêm de qualquer coisa que aconteça. Qualquer assunto pode ser tratado com naturalidade, e independente do contexto, os praticantes Zen não manifestam nenhuma reação ou opinião sólida. O Zen também é retratado como religião iconoclasta, não dando importância a símbolos, escrituras ou a personagens históricos. Existem relatos de monges que queimam ou cospem em estátuas de Buda, isto pode ser interpretado de uma forma não saudável pela sociedade, além do mais, têm-se a impressão que os praticantes não tem respeito por seus mestres. As palavras são o meio mais poderoso de transmissão de Zen, mas algumas delas podem ser interpretadas de forma errônea, como já foi dito por um mestre Zen: “Se você encontrar o Buda, mate o Buda. Se você encontrar o Patriarca, mate o Patriarca”. Frases e ações como essas devem ser interpretadas com grande cautela.
Como acontece com o Budismo em geral, existe a discussão sobre o Zen ser ou não uma religião. Discussões mais sérias são levantadas em torno do Zen, como por exemplo, se ele é realmente um escola Mahayana ou dá início a uma nova ramificação, ou ainda, o Zen ainda é Budismo, ou é uma filosofia nova baseada no Budismo? Questões como essas podem ser estudadas e nunca levantar uma resposta conclusiva.
O Zen tornou-se popular e gerou uma esteriótipo japonês, onde todo japonês é Zen. O Japão como um país onde a sabedoria transborda, e como fonte de grande espiritualidade. Devemos reconstruir o conhecimento sobre o povo japonês, e evitar esse tipo de pré conceito. Alguns estudiosos afirma que o Zen é o produto genuíno da sociedade japonesa, a essência do povo japonês encontra-se no Zen. Será que figuras populares como o Samurai justo e corajoso são reais, ou apenas um construção idealizada? Será que o Japão sempre teve este comportamento, mesmo antes da introdução do Zen Budismo? O Zen Budismo reconstruiu o Japão, ou o Japão criou o Zen Budismo? Questões como essas devem ser levantadas para evitar uma idealização da sociedade japonesa..
O Zen também é tema pra vários campos de estudo, não só a antropologia, linguística e história. A psicanálise tem estudos sobre o Zen, onde essa manifestação do desejo é dada como influência do Ego (Vontade e desejo, livre de qualquer conceito moral), e os métodos Zen como Koan e Zazen são instrumentos para construir um Superego(Superego é o que suprime o desejo, ou seja, suprime o Ego), em função do Id (Personalidade do Indivíduo).
Muito se tem estudado sobre alguns costumes e artes Zen, como o Ikebana ou Kado, a arte dos arranjos florais. O chado(ou sado) ou chanoyu, a arte de servir e apreciar chás. O shodo, a arte da escrita. Ou até artes marciais como Aikido e Judo.
8- A arte e o caminho Zen
Ao ser introduzido no Japão, o Zen Budismo leva consigo uma série de costumes e tradições que pouco a pouco passam a ser incorporadas à identidade Nippônica.
A notável preocupação de encontrar o caminho da iluminação extrapola os ritos religiosos e é encontrada em atividades pouco ligadas ao Budismo. Algumas dessas práticas são levadas junto a introdução do Zen no solo japonês, como é o caso da arte do chá. Outras são criadas e desenvolvidas à partir de contextos filosóficos e históricos, como é o caso de certas artes marciais. Mas qual relação existe entre tomar chá e atingir a natureza búdica? Isso nos fica claro assim que compreendermos tais práticas.
A arte do chá, Chanoyu ou Chado, foi levada ao Japão por monges chineses, estes cultuavam o hábito de tomar chá verde, tal chá já existia no Japão, mas a sua qualidade era contestável.
O Zen pouco a pouco desenvolve um método cerimonial de se apreciar o chá. Esste método visa a evolução espiritual e a busca pelo caminho, como nos deixa claro o nome Chado, Cha significa Chá, enquanto Do tem o significado de caminho. Então o Caminho do Chá estabelece uma série de regras e uma norma de etiqueta que pode variar conforme a escola.  Em essência todas escolas seguem um padrão. Antes de começar o ritual do chá propriamente dito, os convidados caminham por um jardim zen, ondem contemplam a natureza, essa etapa visa a integração do homem à natureza, fortalecendo o principio de unidade que existe no Zen. Antes de entrar na sala de chá, os convidados lavam suas mãos e bocas. Este não é um gesto de asseamento e sim um gesto simbólico de quebra com o mundo material, após esta lavagem o convidado está apto a entrar na sala do chá. Ao entrar, o mundo deve ser esquecido, a única preocupação deve ser com a cerimonia. O chá deve ser apreciado, assim como os talheres e instrumentos usados, eventualmente se apreciam arranjos florais e pinturas sumiê.
Ao se focar no chá, existe uma unidade entre o convidado e a cerimônia, os dois estão unidos intimamente, todas as ações são feitas com naturalidade e qualquer resquício do mundo exterior é deixado de lado.
Essa idéia de unidade é exatamente o que o Zen procura, não existe distinção entre o que é chá e o que é homem, os dois são um só, e através da prática do Chado o praticante se torna apto a extrapolar esse conceito chá-homem para homem-universo.
Outra prática interessante é o Ikebana ou Kado, Ka significa flor enquanto Do novamente significa caminho. O mesmo conceito do chá é aplicado aqui. Ao construir arranjos florais, o praticante torna tal prática tão natural, que é incapaz de distinguir o praticante do arranjo. Certas regras estéticas fazem parte do Ikebana, como o cuidado com os ramos usados, seus tamanhos e direções. A regra principal é buscar o equilibrio entre os três (3) galhos usados no arranjo. Mas no arranjo de Ikebana, os galhos não são apenas galhos, são símbolos que representam, o Céus, a Terra e o Homem. Ao buscar o equilibrio entre esses galhos, o praticante entra em equilibrio com a iluminação (Céu), com o mundano (Terra) e o consigo (Homem). Essa tríade é um conceito que foi englobado à partir do contato do Budismo com o Xintô.
As Artes Marciais também tem sua preocupação com a iluminação. O Budo, onde Bu significa guerra, e Do significa caminho. Busca trazer a iluminação ao praticante, através do treino de técnicas de combate.
O Budo é uma adaptação do Bujutsu, Jutsu significa arte ou técnica, a única finalidade do Bujutsu é formar soldados aptos ao combate armado e à mãos nuas. Com o final da segunda guerra, tais práticas perdem sua utilidade, e pouco a pouco as escolas marciais vão desaparecendo. Com uma releitura Zen do Bujutsu, o Budo surge, adaptando antigas técnicas de combate ao caminho Zen. Novamente o praticante deve atingir um elevado grau na arte, que é impossível distingui-lo da técnica. Não existe nenhum pensamento, todo o processo acontece de forma natural. Mais uma vez, buscando a iluminação, o praticante deve interpretar a sua naturalidade técnica como uma manifestação da postura que deve ser tomada em relação ao universo.
Existe um crescimento exagerado das artes Zen, onde praticamente tudo pode ser praticado de uma forma a revelar o caminho da iluminação. Também existe grande especulação e inúmeros livros sobre o modo Zen de se executar ações diversas. Hoje podemos encontrar livros que relatam a mente Zen na manutenção de automotores, ou até mesmo na direção automobilística.
9- O Zen e o mundo
O Zen atualmente é praticado em quase todo o mundo, a escola com o maior número de monges fora do Japão é a Soto Zen. Após os anos 80, aumenta o  interesse do mundo na sociedade japonesa, onde muito da sua cultura acaba por se tornar uma moda. O mesmo acontece com o Zen.
Com a popularização das artes marciais, dos samurais, ninjas e gueixas, o Japão se torna uma grande fonte de novidades. Em oposição ao que já existe no ocidente, os costumes japoneses são generalizados como espirituais, pacíficos. Muitas vezes podemos observar uma dicotomia entre ocidente/oriente – bem/mal. Muitas das características adoradas pelo ocidente, se deve a grande influência do Zen na sociedade japonesa.
Glossário
Amidismo – Outro nome dado à escola Jodo Shu, devido à sua devoção ao Amida Buda.
Bhodi – Iluminação.
Buda – O Iluminado, mas comumente o termo é usado pra se referir à Siddartha Gautama.
Bukkyo – Budismo.
Butsudo – Budismo.
Butsu – Buda.
Dai-Kensho – Maior nível que possa ser atingido pela iluminação.O mesmo que Nirvana ou Satori.
Daimoku – Sutra utilizado na escola Nichiren.
Dojo – Local onde se pratica a meditação. Literalmente é o “lugar do caminho”
Kensho – Primeiro estágio da iluminação, termo japonês.
Koan – Frases usadas para forçar a compreensão do Zen..
Kinrin – Meditação andando.
Lamaísmo – Budismo Tibetano praticado pelos Lamas.
Mudra – Símbolos que são realizados com as mãos ao se meditar.
Nirvana – Iluminação. O mesmo que Dai-Kensho ou Satori.
Samu – Um trabalho que é realizado com intuito de meditação.
Sangha – Comunidade monástica.
Sutra – Registros escritos das palavras proferidas por Siddartha Gautama.
Período Asuka – Período da história japonesa que corresponde de 552-710.
Período Heian – Período da história japonesa que corresponde de 794-1185.
Período Kamakura – Período da história japonesa que corresponde de 1185-1333.
Período Tokugawa –  Período da história japonesa que corresponde de 1615-1868
Zazen – Meditação Sentada.
Bibliografia.
BERTOLUCCI, Bernardo. “O Pequeno Buda”. Recorded Picture Company / CiBy 2000 / Serprocor
Anstalt. 1993. (Filme)
BRINKER, Helmut. “Zen na arte da pintura(o)”. São paulo: Pensamento
DUCKHEIM, Karlfried Garf. “O Culto Japonês da Tranquilidade”. São Paulo, Cultrix. 1992.
ENCICLOPÉDIA, Wikipédia. <http://pt.wikipedia.org/&gt;. Ultimo Acesso: 29/11/2009.
HAMMITZSCH, Horst. “O Zen na Arte da Cerimônia do Chá. São Paulo, Pensamento. 1996.
HERRIGEL, Engel. “A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen.”. São Paulo, Pensamento. 2007.
______. “O Caminho Zen”. São Paulo, Pensamento. 1993.
HERRIGEL, L. Gusty. “O Zen na Arte da Cerimônia das Flores”.  São Paulo, Pensamento. 1995
HYAMIS, Joe. “O Zen nas Artes Marciais”. São Paulo, Pensamento. 1996.
HUMPHREYS, Christmas. “Zen- budismo”. Rio de janeiro: Zahar, 1977
KAMMER, Reinhard. “ O Zen na Arte de Conduzir a Espada”. São Paulo, Pensamento.  1995.
KATAGIRI, Dainin. “Retornando ao silêncio: a prática zen na vida diária”. São Paulo: Pensamento, 1988.
RAJNEESH, Bhagwan Shree. “Nem água, nem lua: Dez discursos sobre historias zen.” São paulo: Pensamento, 1973.
SCOTT, David; DOUBLEDAY, Tony. “ O Livro de Ouro do Zen”.Rio de Janeiro, Ediouro, 2000.
SUZUKI, Daisetz Teitaro. “Introdução ao Zen Budismo”. São Paulo, Pensamento. 2002.
______. “A Doutrina Zen Da Não Mente” São Paulo, Pensamento. 1989
______. “Zen and japanese culture”. Princeton: Princeton University, 1973
______. “Zen-budismo e psicanalise”. São paulo: Cultrix, 1970
SAKURAI, Célia. “Os Japoneses”. São Paulo, Contexto, 2008.
SUZUKI, Takeshi. “Budismo, do Primitivo ao Japonês”. São Paulo, Ed. do Escritor,1986
PEREIRA, Ronan A . “Religiosidade Japonesa: Sincretismo e Tolerância”. São Paulo, JBC. 2004
______ . “As Novas Religiões”. São Paulo, JBC. 2004
______ . “Religiosidade Japonesa no Brasil”. São Paulo, JBC. 2004
SUGAI, Vera Lucia. “O Caminho do Guerreiro- Volume I”. São Paulo, Gente. 2000.
______. “O Caminho do Guerreiro- Volume II”. São Paulo, Gente. 2000.
WATTS, Alan W. “O espírito do Zen”.  São Paulo, Cultrix, 1988.

Read Full Post »

Bugaku Hoe: dança e canto budista

Espetáculo consiste em músicas com instrumentos de sopro, corda e percussão, inspiradas em cerimônias budistas

O grupo japonês Bugaku Hoe apresenta músicas da orquestra mais antiga do mundo, com 1.300 anos de história

É possível unir orquestra, bailado e canto budista? Sim. E não é num templo religioso que você verá uma mistura como essa. Pela primeira vez no Brasil, o tradicional grupo japonês Bugaku Hoe se apresentará nas cidades de São Paulo, Brasília, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. E o melhor: a entrada é gratuita em todos os locais.

Considerado Patrimônio Cultural Intangível, no Japão, o espetáculo Tradições Criativas consiste em Gagaku (orquestra), Bugaku (bailado) e Shomyo (canto budista).

O espetáculo já encantou pessoas da Europa, América do Norte, China e Coréia do Sul.

Coreografias acompanham músicas tocadas por instrumentos de sopro, cordas e de percussão

Bugaku

Bugaku são os bailados que acompanham a música de Gagaku. Dois grupos dançam vestidos com fantasias coloridas e usando máscaras.

Um (Saho Bugaku) acompanha a música introduzida pela China e o outro (Uho Bugaku) acompanha uma música vinda da península coreana.

Gagaku

Gagaku é um conjunto de instrumentos de sopro, cordas e de percussão e é a mais antiga manifestação cultural japonesa e também a mais antiga orquestra do mundo com mil e trezentos anos.

Sua origem se deu com a música de côrte e foi tocada durante rituais religiosos e cerimônias oficiais da Casa Imperial, mas também era tocada por aristocratas apenas por diversão.

Além disso, o Gagaku é a música de ritual do Shinto e atualmente pode ser ouvido em cultos e casamentos xintoístas.

Shomyo

Shomyo é o canto de cerimônia budista e tem como ponto de partida o Shomyo do Tibete. Considerada a arte vocal mais sofisticada no Japão, é transmitida entre os monges budistas(Shingon e Tendai).

Para a maioria dos japoneses, shomyo não é uma música muito familiar, mas ela pode ser ouvida em rituais religiosos.

Mandalas

No bugaku-hoe(cerimônia litúrgica) duas mandalas, diagramas sagrados que encarnam a realidade do budismo esotérico, são colocadas no palco para um rito chamado ‘mandala shomyo’. a mandala taizokai representa a misericórdia de Buda, e a mandala kongokai a sabedoria de Buda, são usadas em conjunto para significar não-dualidade. Os cantos executados pelos monges sentados do lado esquerdo, que está associado com a direção leste e com o sol, é o Tendai shomyo, e os monges, à direita, que está associada com a direção oeste,e  a lua, é o Shingon shomyo. Os bailarinos bugaku executam duas peças diferentes, uma chamada ryo-o, em louvor da taizokai mandala, e a outra chamada nasori, em louvor da kongokai mandala.

Mandala Taizokai
taizokai3

Mandala Kongokai

kongo

Fonte: Made in Japan;  Emabassy of Japan in the UK

Read Full Post »

Texto de Ronan Alves Pereira

O Xintoísmo (Shintô) e o Budismo (Bukkyô) são os principais protagonistas do cenário religioso japonês. Porém, séculos antes dessas tradições religiosas tomarem corpo no arquipélago, inúmeras manifestações do sagrado já se faziam presentes — achados arqueológicos (como clavas de pedra e figuras de barro) sugerem ritos de fertilidade e práticas mágicas; com a introdução da rizicultura surgem as cerimônias religiosas ligadas a cada aspecto do cultivo do arroz; escritos chineses antigos falam de práticas xamânicas, mediúnicas e adivinhatórias entre os japoneses do começo da era cristã.
Até o século VI, as crenças autóctones não se encontravam organizadas teologicamente ou centralizadas numa única instituição. Nessa época, em que fora introduzido oficialmente o Budismo no Japão, via Coréia, sacerdotes ligados à corte começaram a organizar as crenças nativas, para distinguí-las do ensinamento budista, sob as denominações alternativas Shintô, Kami-no-michi ou ainda Kannagara-no-michi (shin/kami/kan, “deus”, “espírito”; tô/dô/michi, “via”, “caminho”). Se, por um lado, a tradição proto-xintoísta, para sobreviver ao impacto da introdução do Budismo, teve de organizar-se tomando emprestado da religião importada termos, doutrinas, iconografia etc; por outro, o Budismo, sendo uma religião originária da Índia, também teve de “japonizar-se” e fazer empréstimos da tradição religiosa dos japoneses para conquistar seus corações.

Essas duas tradições religiosas mantiveram uma duradoura e frutífera relação simbiótica ao longo dos séculos e desenvolveram uma espécie de divisão de trabalho, particularmente no que tange a ritos de passagem. Enquanto o Xintoísmo se relaciona mais freqüentemente com ritos de nascimento, matrimônio, inauguração de edifícios etc, o Budismo mantém-se na esfera do culto aos antepassados e rituais fúnebres.
Além do Budismo, cumpre ainda citar o papel do Confucionismo (Jukyô), do Taoísmo(Dôkyô) e do Cristianismo (Kirisutokyô) no mosaico da religiosidade nipônica. O Taoísmo, ensinamento de origem chinesa que enfatiza práticas místicas e a ordenação do Universo, foi adotado oficialmente no Japão no ano 702, como Repartição Governamental de Adivinhação (Onmyôryô). O Confucionismo, escola filosófica chinesa que enfatiza a ação social e a ordem política, tornou-se o fundamento moral e ideológico da elite governante no período Tokugawa (1600-1868). Embora ambos não tenham-se tornado religiões formais no Japão, as práticas adivinhatórias e certos conceitos taoístas foram perpetuados na religiosidade popular, enquanto a ética confucionista passou a reger as relações sociais e influenciou praticamente todas as religiões no Japão. O Cristianismo foi introduzido no país em 1549 por São Francisco Xavier e obteve ampla aceitação no primeiro século de prosetilismo cristão. No entanto, ele ficou proibido de 1639 até o final do século 19, e não se tornou uma religião “naturalizada” como foi o caso do Budismo.
Essas tradições religiosas não ficaram separadas, diferenciadas ou livres de influência recíproca na história multi-milenar do país, resultando numa cultura onde a afiliação exclusiva a determinada religião é uma exceção, e onde o sincretismo é uma constante. De fato, o Japão é um dos raros países no mundo onde as pessoas veneram divindades de religiões diferentes sem maiores constrangimentos; onde há capelas de uma religião no espaço sagrado de outra; ou um sacerdote de uma religião conduza cerimônias em outra religião.

Tal atitude flexível e pragmática frente à religião pode ser creditada como um dos elementos que facilitou, por um lado, a integração dos imigrantes japoneses no universo religioso brasileiro; por outro, a difusão das religiões japonesas fora da colônia nikkei.

Ronan Alves Pereira, Ph.D. Professor de cultura e língua japonesas na Universidade de Brasília. Mestre em Antropologia Cultural pela Universidade de Tóquio e doutor em Ciências Sociais (Antropologia) pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Atualmente é pesquisador-visitante do Centro de Estudos Japoneses da Universidade da Califórnia em Berkeley.

Fonte: Japanfoundation

Read Full Post »

Este símbolo está presente em praticamente todos os templos budistas e xintoístas pelo Japão. Seu nome é Tomoe, com o significado de ciclo ou giro, referindo-se ao movimento da terra. O tomoe é relacionado ao símbolo do yin-yang (tao), e também é apresentado com um significado semelhante: as diferentes forças no universo. Visualmente o tomoe é constituido de “vírgulas” interligadas.

O tomoe mais facilmente encontrado é o triplo(mitsu tomoe), mas também pode ser encontrado sozinho, em duo ou em quatro. O Mitsutomoe representa a divisão da universo numa visão Xintoísta, onde suas vírgulas representam A Terra, Os Céus e a Humanidade. Abaixo alguns modelos de tomoe:

Read Full Post »

Budismo

Introdução ao Budismo

Sistema ético, religioso e filosófico fundado pelo príncipe hindu Sidarta Gautama (563-483 a.C.), ou Buda(imagem ao lado), por volta do século VI. O relato da vida de Buda está cheia de fatos reais e lendas, as quais são difíceis de serem distinguidas historicamente entre si.

O príncipe Sidarta nasceu na cidade de Lumbini, em um clã de nobres e viveu nas montanhas do Himalaia, entre Índia e Nepal. Seu pai, era um regente e sua mãe, Maya, morreu quando este tinha uma semana de vida. Apesar de viver confinado dentro de um palácio, Sidarta se casou aos 16 anos com a princesa Yasodharma e teve um filho, o qual chamou-o de Rahula.

História do Budismo

Aos 29 anos, resolveu sair de casa, e chocado com a doença, com a velhice e a com morte, partiu em busca de uma resposta para o sofrimento humano. Juntou-se a um grupo de ascetas e passou seis anos jejuando e meditando. Praticou o ioga (numa forma que não é a mesma que é hoje seguida nos países ocidentais), e seguiu práticas ascéticas extremas, mas acabou por abandoná-las, vendo que não conseguia obter nada delas. Durante muitos dias, sua única refeição era um grão de arroz por dia. Após esse período, cansado dos ensinos do Hinduísmo e sem encontrar as respostas que procurava, separou-se do grupo. Depois de sete dias sentado debaixo de uma figueira, diz ele ter conseguido a iluminação, a revelação das Quatro Verdades. Pouco depois decidiu retomar a sua vida errante, tendo chegado a um bosque perto de Benares, onde pronunciou um discurso religioso diante de cinco jovens, que convencidos pelos seus ensinamentos, se tornaram os seus primeiros discípulos e com que que formou a primeira comunidade monástica. O Buda dedicou então o resto da sua vida (talvez trinta ou cinquenta anos) a pregar a sua doutrina através de um método oral, não tendo deixado quaisquer escritos.

Prática de Fé do Budismo

O Budismo consiste no ensinamento de como superar o sofrimento e atingir o nirvana (estado total de paz e plenitude) por meio da disciplina mental e de uma forma correta de vida. Também crêem na lei do carma, segundo a qual, as ações de uma pessoa determinam sua condição na vida futura. A doutrina é baseada nas Quatro Grandes Verdades de Buda:

  • A existência implica a dor: O nascimento, a idade, a morte e os desejos são sofrimentos.
  • A origem da dor é o desejo e o afeto: As pessoas buscam prazeres que não duram muito tempo e buscam alegria que leva a mais sofrimento.
  • O fim da dor: só é possível com o fim do desejo.
  • A Quarta Verdade: se prega que a superação da dor só pode ser alcançada através de oito passos:
  1. Compreensão correta: a pessoa deve aceitar as Quatro Verdades e os oito passos de Buda.
  2. Pensamento correto: A pessoa deve renunciar todo prazer através dos sentidos e o pensamento mal.
  3. Linguagem correta: A pessoa não deve mentir, enganar ou abusar de ninguém.
  4. Comportamento correto: A pessoa não deve destruir nenhuma criatura, ou cometer atos ilegais.
  5. Modo de vida correto: O modo de vida não deve trazer prejuízo a nada ou a ninguém.
  6. Esforço correto: A pessoa deve evitar qualquer mal hábito e desfazer de qualquer um que o possua.
  7. Desígnio correto: A pessoa deve observar, estar alerta, livre de desejo e da dor.
  8. Meditação correta: Ao abandonar todos os prazeres sensuais, as más qualidades, alegrias e dores, a pessoa deve entrar nos quatro graus da meditação, que são produzidos pela concentração.

Missões do Budismo

Um dos grandes generais hindus, Asoka, depois do ano 273 a.C., ficou tão impressionado com os ensinos de Buda, que enviou missionários para todo o subcontinente indiano, espalhando essa religião também na China, Afeganistão, Tibete, Nepal, Coréia, Japão e até a Síria. Essa facção do Budismo tornou-se popular e conhecida como Mahayana. A tradicional, ensinado na Índia, é chamado de Teravada.

O Budismo Teravada possui três grupos de escrituras consideradas sagradas, conhecidas como “Os Três Cestos” ou Tripitaka:

  • O primeiro, Vinaya Pitaka (Cesto da Disciplina), contêm regras para a alta classe.
  • O segundo, Sutta Pitaka (Cesto do Ensino), contêm os ensinos de Buda.
  • O terceiro, Abidhamma Pitaka (Cesto da Metafísica), contêm a Teologia Budista.

O Budismo começou a ter menos predominância na Índia desde a invasão muçulmana no século XIII. Hoje, existem mais de 300 milhões de adeptos em todo o mundo, principalmente no Sri Lanka, Mianmá, Laos, Tailândia, Camboja, Tibete, Nepal, Japão e China. Ramifica-se em várias escolas, sendo as mais antigas o Budismo Tibetano e o Zen-Budismo. O maior templo budista se encontra na cidade de Rangoon, em Burma, o qual possui 3,500 imagens de Buda.

Teologia do Budismo

A divindade: não existe nenhum Deus absoluto ou pessoal. Os que querem ser iluminados, necessitam seguir seus próprios caminhos espirituais e transcendentais.
Antropologia: o homem não tem nenhum valor e sua existência é temporária.
Salvação: as forças do universo procurarão meios para que todos os homens sejam iluminados (salvos).
A alma do homem: a reencarnação é um ciclo doloroso, porque a vida se caracteriza em transições. Todas as criaturas são ficções.
O caminho: o impedimento para a iluminação é a ignorância. Deve-se combater a ignorância lendo e estudando.

Posição ética: existem cinco preceitos a serem seguidos no Budismo:

  • proibição de matar
  • proibição de roubar
  • proibição de ter relações sexuais ilícitas
  • proibição do falso testemunho
  • proibição do uso de drogas e álcool

No Budismo a pessoa pode meditar em sua respiração, nas suas atitudes ou em um objeto qualquer. Em todos os casos, o propósito é se livrar dos desejos e da consciência do seu interior.

Karma e a Lei de Causa e Efeito

Uma pessoa é uma combinação de matéria e mente. O corpo pode ser encarado como uma combinação de quatro componentes: terra, água, calor e ar; a mente é a combinação de sensação, percepção, idéia e consciência. O corpo físico — na verdade, toda a matéria na natureza – está sujeito ao ciclo de formação, duração, deterioração e cessação.

O Buda ensinou que a interpretação da vida através de nossos seis sensores (olhos, ouvidos, nariz, língua, corpo e mente) não é mais do que ilusão. Quando duas pessoas experimentam um mesmo acontecimento, a interpretação de uma, pode levar à tristeza, enquanto a da outra, pode levar à felicidade. É o apego às sensações, derivadas desses seis sentidos, que resulta em desejo e ligação passional, vida após vida.

O Buda ensinou que todos os seres sencientes estão em um ciclo contínuo de vida, morte e renascimento, por um número ilimitado de vidas, até que finalmente alcancem a iluminação. Os budistas acreditam que os nascimentos das pessoas estão associados à consciência proveniente das memórias e do karma de suas vidas passadas. “Karma” é uma palavra em sânscrito que significa “ação, trabalho ou feito”. Qualquer ação física, verbal ou mental, realizada com intenção, pode ser chamada de karma. Assim, boas atitudes podem produzir karma positivo, enquanto más atitudes podem resultar em karma negativo. A consciência do karma criado em vidas passadas nem sempre é possível; a alegria ou o sofrimento, o belo ou o feio, a sabedoria ou a ignorância, a riqueza ou a pobreza experimentados nesta vida são, no entanto, determinados pelo karma passado.

Neste ciclo contínuo de vida, denominado Samsara, seres renascem em várias formas de existência. Há seis tipos de existência: Devas (deuses), Asuras (semideuses), Humanos, Animais, Pretas (espíritos famintos) e Seres do Inferno. Cada um dos reinos está sujeito às dores do nascimento, da doença, do envelhecimento e da morte. O renascimento em formas superiores ou inferiores é determinado pelos bons ou maus atos, ou karma, que foi sendo produzido durante vidas anteriores. Essa é a lei de causa e efeito. Entender essa lei nos ajuda a cessar com todas nossas ações negativas. Abaixo uma imagem do ciclo de renascimento, ou samsara.

As seis perfeições

As Quatro Nobres Verdades são o fundamento do Budismo e entender o seu significado é essencial para o auto desenvolvimento e alcance das Seis Perfeições, que nos farão atravessar o mar da imortalidade até o nirvana.

As Seis Perfeições consistem de:

  1. Caridade. Inclui todas as formas de doar e compartilhar o Dharma.
  2. Moralidade. Elimina todas as paixões maléficas através da prática dos preceitos de não matar, não roubar, não ter conduta sexual inadequada, não mentir, não usar tóxicos, não usar palavras ásperas ou caluniosas, não cobiçar, não praticar o ódio nem ter visões incorretas.
  3. Paciência. Pratica a abstenção para prevenir o surgimento de raiva por causa de atos cometidos por pessoas ignorantes.
  4. Perseverança. Desenvolve esforço vigoroso e persistente na prática do Dharma.
  5. Meditação. Reduz a confusão da mente e leva à paz e à felicidade.
  6. Sabedoria. Desenvolve o poder de discernir realidade e verdade.

A prática dessas virtudes ajuda a eliminar ganância, raiva, imoralidade, confusão mental, estupidez e visões incorretas. As Seis Perfeições e o Nobre Caminho Óctuplo nos ensinam a alcançar o estado no qual todas as ilusões são destruídas, para que a paz e a felicidade possam ser definitivamente conquistadas.

Escolas

O budismo dividiu-se em várias escolas, das quais algumas vieram a se extinguir. A principal divisão atualmente existente é entre a escola Theravada e as linhagens Mahayana e Vajrayana.

As escolas numericamente mais expressivas na atualidade são:[carece de fontes?]

  • Theravada, estabelecida no sudeste asiático;
  • Zen japonês e Chan chinês, escolas com ênfase na meditação . Alguns estudiosos consideram estas escolas como uma linhagem Mahayana. Outros, no entanto, dizem que, pela ênfase ser diferente, e pelo Zen/Chan ser “descendentes” também do Taoísmo, devem ser considerados uma escola à parte;
  • As escolas japonesas devocionais da Terra Pura (Jodo Shu) e Verdadeira Terra Pura (Jodo Shinshu), e as escolas ligadas à Nitiren, todas Mahayana;
  • As escolas tântricas do Budismo tibetano (Nyingma, Kagyu, Gelug, Sakya) que fazem parte da linhagem Vajrayana.

Há muita polêmica e confusão no ocidente em torno do budismo, devido principalmente à falta de informação correta. Muitos movimentos esoteristas e sincréticos procuram se apresentar como “verdadeiros budismos”, “adaptações para o Ocidente”, etc. Freqüentemente questiona-se quanto ao budismo ser ou não uma religião (por não aceitar a existência de um deus criador do mundo).

Abaixo, cena do filme O pequeno Buda, de Bernardo Betolucci, onde Sidarta ao meditar, tem um confronto com suas tentações, medo e ego. Um ótimo filme para simpatizantes da filosofia Budista

Fontes: (http://hsingyun.dharmanet.com.br/, Wikipedia, http://www.sepoangol.org/)

Read Full Post »

    O Xintoísmo é a religião nativa do Japão. É, antes de qualquer influência, o componente básico de toda a cultura japonesa. O seu culto tem origem na Pré-História e se estende até os dias de hoje, sendo a célula matriz de toda a organização social do povo japonês. Por ser um culto ligado a natureza, o Caminho de Kanagara ou, em japonês, Kanagara no Miti, é a essência e o elo desse povo com a terra-mãe, que lhe transmitiu suas características, é a visão da vida como expressão do universo.

    O Caminho de Kanagara é, por certo, um culto pacífico e acolhedor como um útero, pois de outra forma não aceitaria de bom grado tantas influências como o budismo e o confucionismo. Apesar de uma convivência relativamente pacífica com outras filosofias, a sua fecundidade incomparável se impôs e propiciou mais uma vez o ninho em que gerou, com esses novos fluxos religiosos, uma nova forma e vida essencialmente japonesa. Ajudou a criar algo único – como somente ela e os seus deuses da natureza poderiam fazer – de incomparável força e beleza como o Zen.

    Assim sendo, conta a mitologia japonesa que um casal de deuses, Isanagui no Kami(homem) e Isanami no Kami(mulher), dá origem ao Japão. Este casal era o último, visto que o mundo já estava habitado o suficiente para um bom começo.

    Com a nova terra organizada, Isanagui e Isanami decidem viajar pelo território para melhor conhecê-lo e explorá-lo. Isanagui quer ir para o Sul, e Isanami quer começar pelo Norte. Dando origem a uma séria divergência entre o casal, que vai terminar em separação.

 

isanagui-e-isanami.jpg

    Isanami vai para o Norte como queria, apesar do Norte ser ainda um lugar com territórios totalmente desconhecidos, como o de Yômi(que significa escuridão, morte), cujos habitantes são pouco civilizados, sujos e primitivos como os habitantes dos vales infernais, e decidiu que lá seria o seu trabalho.

Isanagui segue para o Sul, mas a falta de notícias de sua mulher o deixa preocupado. Decide procurá-la. Passa-se muito tempo até que a encontre e tente convencê-la a voltar para viverem juntos na terra abençoada.

    Isanami, zangada, se queixa da demora do marido, e explica que justamente pela demora, acabou por adaptar-se à nova terra. Comera do seu alimento e se tornara um deles, e dessa forma era impossível voltar. Isanagui insiste, e ela aceita se consultar com algumas pessoas de sua confiança sobre a possibilidade de voltar. Isanagui a segue até o seu palácio, mas ela lhe pede que não entre, e que espere na porta enquanto estiver lá.

    Esperando por algum tempo, impaciente e curioso, ainda mais pelo estranho pedido, penetra no palácio contrariando a promessa que fizera. Entretanto, ao entrar, sente um terrível mau-cheiro que vem de dentro do palácio. Depara-se, então, com o corpo de sua esposa inerte, já em estado de decomposição. Sentados ao redor do corpo, numerosos homens e mulheres muito feios e deformados contemplam a deusa.

    Horrorizado, Isanagui se afasta e se põe a correr. Mas o tumulto causado pela visita indevida acorda Isanami, que irada ordena às mulheres que persigam seu marido e o tragam à sua presença.

    Ao ser perseguido, Isanagui joga a sua peruca, que se transforma em vários cachos de uva. As mulheres,como todos os habitantes desse lugar horrível, são por natureza famintas e se põem a devorá-las, mas tão logo terminam, retornam a sua perseguição. Ele então atira os dentes de seu pente, que se transformam em saborosos brotos de bambu. Enquanto saboreiam a comida, as mulheres esquecem de persegui-lo.

    Na fuga ele é novamente alcançado. Dessa vez escapa usando a própria urina que, transformada em um grande rio, o separa das mulheres. De volta ao palácio as mulheres relatam o fracasso da captura. Isanami irada, envia uma tropa de mil demônios chefiados,agora, pelo Deus do Raio.

    Novamente perseguido,Isanagui vibra sua espada de dez palmos, ora lutando ora correndo, até se deparar com um pomar de ameixeiras carregadas. Lembra-se então que ameixas são odiadas por demônios, arremessa-as contra os atacantes e acontece um verdadeiro milagre: consegue pôr fim à perseguição.

    Isanagui fica desolado, resolve voltar para o Sul e continuar o seu trabalho. Antes porém, é preciso que ele se purifique, pois se contaminou ao entrar em contato com os habitantes de Yômi. Lembra-se da esposa com muita tristeza e quando recebe a notícia de seu falecimento. Senta-se e chora, e de suas lágrimas nasce uma deusa, percorre um longe caminho em busca de um lugar para purificar-se, até que encontra um riacho um límpido riacho. Despe-se. Em absoluto e concentrado silêncio, começa a se lavar em um ritual de purificação. Dos primeiros pingos de água ainda sujos nascem dois deuses. Que serão os responsáveis pelas pessoas e as más obras deste Terra, como conseqüência ainda de sua viagem a Yômi.

    À medida que Isanagui se purifica, surgem outros deuses abençoados que vão nascendo por todos os lugares por onde ele se banha, até chegar o momento de lavar seus olhos. Do olho esquerdo se dá a origem de uma de deusa de grande nobreza e luz. É Amaterasu, que de tão resplandescente se faz a Deusa do Sol.

    De seu olho direito nascendo assim outro deus, Tsukiyomi, o Deus da Lua, muito inteligente e virtuoso.

    Ao lavar o nariz, nasce por fim um deus que representa a coragem e bravura, e recebe o nome de Sussanô.

 

amaterasu.jpg

    A cada deus é dada uma tarefa, Amaterasu é em terra nos territórios do Sul, juntamente com Tsukiyomi que a auxiliará nos territórios do Norte. Para Sussanô designou os mares com suas profundezas ocultas, pois para essa tarefa são necessárias bravura e coragem. Isanagui volta ao seu lugar de partida, onde um dia havia feito planos com sua esposa Isanami, e veio falecer satisfeito e tranqüilo com sua missão cumprida.

    Amaterasu e Tsukiyomi obtém ótimos resultados. Infelizmente o mesmo não acontece com Sussanô. Contrariado com seu legado, que considera uma maldição, se volta contra a irmã, invadindo seus domínios e culminando na morte das damas de companhia de Amaterasu. Indignada, ela se retira do mundo, esconde-se em uma sombria caverna e fecha a entrada. Com isso, céus e terra mergulham em profunda escuridão, ameaçando a sobrevivência de todos.

    Os outros deuses, preocupados, promovem uma reunião diante da caverna, com danças, cantos e oferendas, numa estratégia pra trazer a Deusa do Sol devolta.

    Amaterasu estranhou todo aquele barulho àquela hora,ainda mais com a escuridão que tomava conta do mundo. Provocada pelo convite de um deus para que olhasse e visse um espelho de impressionante beleza e luz, entreabriu a porta, o que lhe permitiu vislumbrar, apenas por uma fresta, a luz do espelho na árvore. Mas um deus, aproveitando desse momento de descuidado encantamento, segurou-lhe a mão, convidando-a pra sair, voltando assim ao mundo que imediatamente recuperava a sua verdadeira luz.

    Depois disso Sussanô é julgado e punido. Vai para o Norte, cuja trajetória é permeada de grandes aventuras, inclusive a de enfrentar um monstro de oito cabeças, responsável pela morte de sete jovens, restando uma última. Ao derrotar o monstro, casa-se com a jovem, pois deseja reconstruir sua nova vida de maneira digna.

    Com sinal de suas boas intenções, propõe a irmã dar à luz juntamente com ele. Ele teria seus filhos, enquanto ela filhas, em um ritual conciliatório, onde seria isso possível, e que viria a ser a prova de sua firme conduta e lealdade para com ela. Essa reconciliação permite o afastamento dos espíritos malignos e restabelece a ordem no mundo. É o triunfo da Luz.

    Esse conto, um sistema hipotético de formação do universo, nos mostra de forma clara a concepção de mundo do japonês. Podemos notar a coexistência harmoniosa do mundo profano, do concreto, da matéria do mundo fantástico, do sagrado, ou seja, com o universo divino.

    Outra coisa importante é o otimismo dessa concepção, pois sempre o bem sobrepuja o mal, ainda que este domine por algum tempo. As virtudes que nos levam a essa vitória são a bravura, a coragem, a doçura, a nobreza de sentimentos e os arrependimento com o reconhecimento dos erros.

    Essa concepção fala sobre a alternância de luz e sombras em busca de novas formas que revelem novamente a luz, fala da revelação e da preservação do mundo criado. Nos leva ao auto-conhecimento.

 

 

 

 

 

(Fonte: O Caminho do Guerreiro – Vera Lucia Sugai – Volume I – Adaptado)

Read Full Post »